Assassinato em Marlborough teria sido motivado por publicação no Instagram

Publicação inconsequente no Instagram teve efeitos devastadores e terminou com duas mortes. De acordo com GnewsUSA, dona da página trata o assunto com desdém

0
384
Kethelen Paula Alves Tavares. Reprodução de redes sociais

Nota da Redação
Em novembro de 2023, a comunidade brasileira foi mais uma vez abalada por um feminicídio, que aconteceu em Marlborough, Massachusetts, quando Marlon Moreira Costa assassinou sua namorada Kethlen Paula Alves Trindade da Rosa e em seguida tirou a própria vida. A morte de Kethlen é mais uma na longa lista de mulheres brasileiras assassinadas nos Estados Unidos, por maridos, namorados ou companheiros e teria sido provocada por uma maledicência publicada em uma página de fofocas no Instagram. O assunto foi investigado por Thathyanno Desa do GnewsUSA e replicado por diversos meios de comunicação nos Estados Unidos e no Brasil.

Da Redação do GnewsUSA que também cedeu as imagens.

Um post de fofoca na página do Instagram “Futrica”, administrada por Diellen Cristhina Rodrigues Correia, 36 anos, culminou no assassinato de Kethlen Paula Alves Trindade da Rocha, 28 anos, seguido pelo suicídio de seu namorado, Marlon Moreira Costa, 29 anos, em Marlboro, Massachusetts, em 29 de novembro de 2023.

Thathyanno Desa, repórter investigativo e CEO do GnewsUSA e GN USA WEBTV, conseguiu uma entrevista exclusiva com uma testemunha do caso, uma amiga próxima de Kethlen, que optou por permanecer anônima. Durante a entrevista, a testemunha compartilhou detalhes do dia do crime, começando com a chegada de Kethlen em sua casa naquela manhã, do dia 29/11/2023.

“Kethlen chegou na minha casa naquela manhã, por volta das 9 horas, muito nervosa”, contou a testemunha. “Ela começou a desabafar, dizendo ‘Amiga, você não sabe o que o Marlon fez comigo. Dessa vez eu não posso mais ficar com ele, pois ele colocou uma arma na minha cabeça”.

No dia anterior, 28 de novembro, Kethlen e Marlon passaram o dia juntos, aparentemente bem. Eles foram à academia juntos, mas tudo mudou quando voltaram para a casa de Marlon.

“Marlon recebeu uma ligação de um amigo, perguntando se ele tinha visto a publicação no Instagram do Futrica“, disse a amiga de Kethlen. “Ele enviou um print da publicação para que ele pudesse ver e o Marlon surtou. Ele colocou uma arma na cabeça dela e exigiu que ela desbloqueasse o telefone. Eles discutiram, mas ela conseguiu acalmá-lo prometendo que iria morar com ele”.

No dia seguinte, Kethlen foi à casa da amiga para desabafar. Durante a conversa, Marlon ligou para Kethlen, insistindo para que ela saísse da casa da amiga para que pudessem conversar, Kethlen recusou, afirmando que ele havia feito algo muito grave. Após ligar imediatamente, a vítima enviou uma mensagem de áudio à mãe de Marlon, explicando a situação e pedindo que conversasse com seu filho para evitar qualquer contato futuro. Pouco depois de enviar a mensagem, ouviram um barulho na porta: era Marlon, tentando arrombar a casa para cometer o crime.

“Ele forçou a entrada na casa, pulou a janela do quarto, jogou o ar-condicionado no chão e começou a procurar pela Kethlen”, relatou a testemunha. “Quando ele a encontrou, atirou nela. Eu corri para o meu quarto, tranquei a porta e pulei a janela com meu filho no colo. Fui para o quintal do vizinho e pedi ajuda”.

A polícia chegou ao local 20 minutos depois e descobriu os corpos de Ketlen e Marlon sem vida, caídos no chão. A amiga de Kethlen enfatizou que a tragédia foi desencadeada pela publicação da página do Instagram por nome de Futrica. “Ele surtou por causa dessa publicação. Todo mundo na região ficou sabendo disso”, disse ela.

Thathyanno também entrevistou uma parente próxima de Ketlen, que preferiu não se identificar, ela compartilhou os detalhes angustiantes sobre a tragédia que afetou sua família devido à fofoca postada no Instagram Futrica.

Confira todos os detalhes desta entrevista
Thathyanno Desa: Eu gostaria que a senhora pudesse relatar como ficou sabendo dessa tragédia com a Ketlen.

A mulher visivelmente emocionada, descreveu os eventos: “Olha, a irmã da Ketlen que mora no Brasil, me ligou suplicando para que eu pudesse ir ao encontro dela, que o rapaz estava fazendo ela de refém. Informou que esse rapaz ficou sabendo de uma fofoca através de uma página e ele ficou muito nervoso, porque a página estava difamando a Ketlen, dizendo que ela estava traindo ele. Devido a isso, ele ficou muito alterado e discutiram. Depois, ele a assassinou e se matou. Aí eu estava lendo alguns comentários em uma página, o rapaz estava difamando ela e eu falei pra ele parar de fazer aquilo, porque ela poderia ser o que fosse, mas ela tinha família, que aquilo era dolorido”.

Thathyanno Desa: Senhora, só para podermos pontuar, a senhora disse que ouviu o nome dessa página, qual era o nome?

Ela (Parente da Ketlen): Futrica

Thathyanno Desa: E qual era o nome do rapaz que estava fazendo a Ketlen de refém?

Ela (Parente da Ketlen): Marlon

A mulher continuou seu relato emocionado: “Aí eu entrei na página e vi sim que havia saído este comentário dessa página e eu vi o tanto que ela era prejudicial, até no dia do velório dela, as pessoas que estavam lá, disseram para mim que foi devido a essa fofoca que ocorreu isso com ela”.

Bastante emocionada, compartilhou sua dor: “Desde que ocorreu isso, eu entrei em crise de ansiedade, porque ela foi criada igual uma filha, ela estava aqui tão recentemente, eu tinha pedido pra ela não ir pra Boston, então isso dói muito ainda”.

Em lágrimas, ela contou o momento triste em que recebeu a notícia da morte de Ketlen: “E foi assim que a irmã dela me falou que ela já tinha morrido, que não adiantava eu ir lá, porque o rapaz já tinha feito o que fez, ela falou: Olha, não precisa de ir lá mais não, porque ele acabou com a vida dela”.

Thathyanno Desa lamentou a perda da jovem e se comprometeu a ajudar a fazer justiça pela família e ainda relatou que a proprietária da página do Instagram já tinha sido alertada anteriormente que a fofoca poderia causar uma tragédia, e mesmo assim eles continuaram.

A familiar de Ketlen fez um desabafo em meio a prantos: “Eu fiquei tão triste de pensar como que uma página causou isso e ela não sente nada, eu fiquei tão indignada com isso, eu fiquei tão agradecida de vocês correrem atrás disso, porque é tão dolorido eles terem causado isso e não se importarem como que uma vida não fosse nada. Essa página fez isso não foi só com a Ketlen não, pelo que eu vejo, todas as pessoas que elas veem algo de mal, eles estão lá colocando… Como que não tem polícia, ninguém para paralisar aquele povo? Para eles (página Futrica) foi como mais um dia que segue, como se fosse legal ter causado a morte da Ketlen, foi muito constrangedor”.

Ela ainda relata sobre como está sendo dolorido para a mãe de Ketlen: “Nunca mais  ela foi a mesma pessoa, nunca mais! Todos os dias ela fala que tá doendo muito nela, porque ela ouvia umas cinco vezes ao dia a Ketlen ligando para ela e dizendo o quanto que amava ela, e ela veio para cá apra conseguir comprar uma casa pra mãe dela lá”.

É importante destacar que Thathyanno Desa já havia publicado um artigo abordando a responsabilidade de compartilhar informações inverídicas. Ele enfatizou que, embora a liberdade de expressão seja um direito valioso, seu uso para disseminar informações falsas pode causar danos irreparáveis. Desa mencionou especificamente o incidente envolvendo o Instagram Futrica, que resultou em uma grande tragédia. A dona da página, Diellen Cristhina, em um ato de deboche, enviou uma mensagem ao CEO do jornal GnewsUSA, demonstrando desrespeito e desconsideração pelas consequências das postagens de seu Instagram.

Conselhos úteis
Se estiver sofrendo violência doméstica, abuso físico e/ou emocional busques ajuda imediatamente. Se no seu relacionamento existe agressões físicas de qualquer tipo ligue imediatamente para o 9-1-1.
No Estado de Massachusetts existe uma série de entidades de prevenção, apoio e suporte contra a violência doméstica. Para saber quais são, clique aqui.
Se estiver com pensamentos ou intenções suicidas busque ajuda através do 9-8-8, ou acesse o Samaritans Hope nos Estados Unidos 24 horas por dia ou o Centro de Valorização da Vida (CVV), no Brasil.

Jehozadak Pereira

Jehozadak Pereira é jornalista profissional e foi editor da Liberdade Magazine, da Refletir Magazine, do RefletirNews, dos jornais A Notícia e Metropolitan, do JS News e jornalista da Rede ABR - WSRO 650 AM. Foi articulista e editorialista do National Brazilian Newspaper, de Newark, New Jersey. É detentor de prêmios importantes tais como o Brazilian Press Awards e NEENA - New England Ethnic Newswire Award entre outros